terça-feira, 6 de agosto de 2013



 Clara Visão

De olhos vendados
De ilusões e sonhos
Vejo a natureza
Como ela não é:
Imaculada.
De olhos vendados
Procuro a beleza
Nas coisas do mundo,
E a perfeição
Em perpétuos amores.
De olhos vendados
Vejo-me princesa
De lábios carnudos
E rara beleza
Que em doces abraços
Se dissolve inteira.
Êxtase de veludo,
De amores feiticeira.

Em um dia…
Em noite vadia
Desata-se o laço
Da venda que trago
Há muito comigo.
Tudo é como é
No mundo e em mim.
De olhos desvendados
De ilusões e sonhos
Encontro a beleza
Em cada jasmim
Posso olhar de frente
(espelho que não mente)
Ser feliz assim!


6 comentários:

joao_pt disse...

Que poesia lindíssima. Foi a Aldora que escreveu?

joao_pt disse...

Poesia lindíssima...

Aldora Amaral disse...

Obrigada João. Sim, fui eu que escrevi.

Carla Moniz disse...

Olá Aldora. Mais um belo poema! E ser feliz assim.

Beijos :-)

Aldora Amaral disse...

Obrigada Carla! Bjos

Fil disse...

Acho que tens de começar a publicar em papel. ..:-)
Acho lindo.